Sobre o relacionamento entre pais e filhos – Constelação Familiar de Bert Hellinger

Há um fluxo de vida que segue de muito longe, por muitas gerações, e que se repete sempre na mesma dinâmica: aqueles que são pais e aqueles que se tornam seus filhos.

No movimento desta energia que vincula pessoas, os primeiros cedem algo e os segundo recebem algo. Os pais cedem. Os filhos recebem.

Em primeiro lugar os pais cedem aos filhos a possibilidade de viver e de usufruir da vida. São eles nossa porta de entrada para o mundo. De tudo o que os pais dão aos seus filhos, este é o elemento mais importante e essencial.

 

“A coisa mais valiosa que os filhos recebem dos pais — não importa quem estes sejam ou o que possam ter feito — é a oportunidade de viver. Ao receber a vida dos pais, os filhos os aceitam, e esses pais são os únicos possíveis para eles. Os filhos não podem acrescentar nem tirar nada à vida que os pais lhes deram; os pais, por sua vez, não podem tirar nem acrescentar nada quando se dão como pais aos filhos.” Bert Hellinger no livro “A simetria oculta do amor”

A única vida possível

Do encontro de um pai e de uma mãe uma vida se forma. E esta vida só encontrará o que lhe pertence por ter vindo deste pai e desta mãe. Quaisquer outras pessoas formariam um outro ser.

Então, filhos que fantasiam sobre a possibilidade de ter pais diferentes estão apenas praticando um ato de ilusão. Buscam uma fuga da realidade que a vida os impõem.

Da união que gera uma vida, os filhos acessam e passam a fazer parte de uma história que se encaminha há muito tempo. Uma história que contém suas bênçãos e suas dificuldades.

A partir do nascimento, os filhos passam a pertencer a um sistema e o pertencimento os força a olhar para as dificuldades que estão no sistema de sua origem, e às vezes, essa carga se torna pesada. 

É nesta hora que muitos filhos viram-se para seus pais e dizem: isso eu não quero de vocês. E passam a se auto-sacrificar pela exclusão que fazem em seu coração para aquilo que lhes pertence também.

 

“Os filhos adquirem segurança interior e sentido claro de identidade quando aceitam e reconhecem ambos os pais como são. Sentem-se incompletos e vazios quando excluem um deles, ou ambos, de seus corações. A consequência da exclusão ou desprezo de qualquer um dos pais é a mesma: os filhos se tornam passivos e se sentem inúteis. Eis uma causa bastante comum de depressão.“ Bert Hellinger no livro “A simetria oculta do amor”

Pais só podem dar o que têm

 

Pais não podem selecionar o que passam aos seus filhos. Na concepção e no cuidado diário, passam aquilo que tem e que receberam antes, de seus próprios pais. O que eles receberam é o que é possível  ser passado adiante.

 

“Essa primeira doação entre pais e filhos é diferente da doação e recebimento de presentes ou favores. Quando os filhos recebem dos pais a vida, tomam o que eles já haviam tomado antes de seus próprios pais. Em certo sentido, os filhos são os seus pais e avós. O amor floresce quando os filhos valorizam a vida que obtiveram — quando aceitam os pais como pais. Tudo o mais de que venham a necessitar para viver pode ser dado por outras pessoas, mas só os pais podem dar-lhes a vida.” Bert Hellinger no livro “A simetria oculta do amor”

 

Neste primeiro presente, já se mostra a grandeza dos pais. Pois gerar vida não é pouca coisa. É necessário, antes de tudo, coragem.

No caminhar da vida, os pais ainda dão muitas outras coisas, sem as quais não conseguiríamos sobreviver: eles nos alimentam, nos cuidam, nos protegem e nos cedem o afeto – da forma como é possível e que eles tenham para dar – para que possamos começar nosso desenvolvimento.

Dar e tomar

 

E nesta relação especial, pais dão e filhos recebem. E esta é a ordem correta.

Ainda que uma das leis dos relacionamento de Hellinger seja o equilíbrio no dar e tomar, na relação de pais e filhos o equilíbrio ocorre de forma transgeracional: o que filhos recebem de seus pais só poderá ser propriamente recompensando quando estes repassarem o que receberam adiante – seja para seus próprios filhos ou prestando um serviço à vida.

Dessa forma, os pais se sentem recompensados e honrados eles mesmos, pela parte que lhes compete neste fluxo.


Este conteúdo (textos, imagens e artes gráficas – exceto trechos de livros, citações de outros autores, e imagens de banco de imagens, quando houver) é exclusivo e produzido pelo Ipê Roxo – Instituto de Desenvolvimento Humano. Sua reprodução é permitida se acompanhada com o devido crédito: material de propriedade do Instituto Ipê Roxo – disponível em www.institutoiperoxo.com.br | Curadoria de conteúdo realizada por Ana Cht Garlet, professora do Instituto.


Deixe seus contatos no formulário abaixo e sobre qual serviço você gostaria de mais informação que entraremos em contato!

3 comentários em “Sobre o relacionamento entre pais e filhos – Constelação Familiar de Bert Hellinger

  1. Eu faz pouco tempo que tive o conhecimento da constelação mas fique bem enterresada gostaria de mais informaçao sob o asunto

    • Olá Isabel!
      Leia os outros posts do nosso blog! Todos os artigos são sobre este tema! Tem muito material interessante.
      Bom proveito!

Deixe uma resposta