O caminho do sucesso – A visão de Bert Hellinger

Será possível separar os muitos papéis que exercemos em nossa vida? Podemos ser felizes no trabalho sendo infelizes em nossos relacionamentos familiares? Ou será que podemos manter um bom relacionamento de casal quando nosso relacionamento com os pais não está bem?

Bert Hellinger, o psicoterapeuta que estudou e aprofundou os conhecimentos trazidos pelas constelações familiares afirma que não.

Ele escreve:

“Às vezes distinguimos, por um lado, entre as áreas da família, a realização e a felicidade nos relacionamentos e, por outro lado, os campos do trabalho e da profissão, como se pudéssemos separá-los. Entretanto, eles seguem as mesmas leis do êxito e fracasso, as mesmas leis da felicidade e da infelicidade, as mesmas leis e ordens na vida e no amor.”

Somos frutos de um relacionamento entre um homem e uma mulher, e moldamos nossas primeiras impressões e aprendizados deste mundo com eles. É também deste relacionamento que nascem nossas primeiras percepções sobre “o outro”, que passamos a experimentar mais tarde em outras áreas da nossa vida.

As leis que regem os relacionamentos

Da mesma forma que Hellinger descobriu as leis que regem os relacionamentos (Ordem, Equilíbrio e Pertencimento) ele também olha para esses parâmetros como condicionantes do sucesso e do fracasso.

Hellinger escreveu que

“no início, as Constelações Familiares se ocuparam principalmente das relações pessoais. Trouxeram à luz as ordens básicas do amor, segundo as quais nossos relacionamentos têm êxito ou fracassam. Quando comecei a investigar as leis do sucesso e do fracasso no trabalho e na profissão e cada vez mais nas empresas e nas organizações, veio à luz que estas seguem as mesmas ordens.”

Nosso trabalho é fruto de relacionamentos construídos com clientes, com gerentes e com colaboradores. E nestes relacionamentos, muitas vezes, repetimos os padrões criados em nossa família de origem. De onde viemos influencia para onde vamos, poderia ser uma forma de abordarmos esta questão.

 

O êxito e o sucesso

Se temos êxito em algo, é porque perseveramos e crescemos naquilo que nos propomos. Nosso sucesso profissional segue alguns êxitos que tivemos muito cedo, no início de nossa vida.

Hellinger descreve dois movimentos essenciais da nossa primeira infância e que se refletem posteriormente na nossa vida adulta: O nosso nascimento e o nosso movimento em direção à nossa mãe.

O nascimento

O nascimento é nosso primeiro e mais decisivo êxito. É o sucesso que comanda todos os outros.

É nesse primeiro momento, totalmente instintivo, que impomos nossa vontade: fazemos força e desejamos nascer. E para além disso, fazemos o trabalho necessário para que isso aconteça.

Dessa primeira experiência nasce também muita da nossa capacidade e força para movimentos em direção ao sucesso no futuro.

Da mesma forma, quando uma criança nasce através de uma intervenção, ainda que necessária, ele é poupada da experiência de conquistar seu nascimento, e para Hellinger, isso se traduz em sua força para o sucesso durante a vida.

“Como se comporta mais tarde uma criança ou um adulto que veio ao mundo através de uma cesária ou teve que ser tirado com um fórceps ou se veio prematuramente ao mundo e teve que passar as primeiras semanas ou até meses na incubadora? Como serão mais tarde a sua autonomia e a sua capacidade de se impor?

E claro que os efeitos de tais primeiras experiências podem ser superados parcialmente mais tarde. Também podemos ganhar uma força especial de tudo o que é difícil e pesado.

Contudo, ao mesmo tempo impõem limites, transformando-se num desafio que podemos superar se reconhecermos suas raízes, podendo, mais tarde, resgatar e reconquistar o que nos falta de uma outra maneira, muitas vezes com uma ajuda externa.” Bert Hellinger

 

Encontrar e tomar a mãe

Nosso primeiro encontro com a nossa mãe é um dos momentos de maiores simbolismos de nossa vida. Conseguir chegar a ela, à nutrição e à segurança que ela nos oferece é nosso segundo sucesso na vida.

Por este sucesso nós também batalhamos. Nada é passivo. O próprio amamentar é um trabalho realizado em grande parte pelo bebê.

“O próximo acontecimento decisivo e o próximo sucesso é o movimento em direção à mãe, agora como uma outra pessoa que nos coloca no peito e nos nutre. Com o seu leite tomamos a vida fora dela.

O que nos torna plenos de sucesso e nos prepara para o sucesso posterior na nossa vida e na nossa profissão?

Quando tomamos a nossa mãe como fonte de nossa vida e tudo aquilo que flui dela para nós. Tomamos a vida como um todo na medida em que tomamos nossa mãe.

Este tomar é ativo. Precisamos sugar para que seu leite flua. Precisamos chamá-la para que venha. Precisamos nos alegrar com o que ela nos presenteia. Através dela ficamos plenos.” Bert Hellinger

 

Mãe e sucesso

Da mesma forma como um filho está com sua mãe, ele está com o sucesso. Assim, se é possível tomar e aproveitar da presença e da força da mãe, um filho também poderá tomar e aproveitar o sucesso que chega até a si.

Assim, nosso movimento em direção à nossa mãe é também o nosso movimento em direção ao sucesso. Nossas ressalvas em direção à nossa mãe, são também nossas ressalvas em direção ao sucesso.

“Quando alguém se alegra com sua mãe, também se alegra com sua vida e seu trabalho. A medida em que alguém toma a sua mãe totalmente, com tudo aquilo que ela lhe presenteou tomando isso com amor, a sua vida e seu trabalho o presentearão, na mesma medida, com sucesso.

Quem tem reservas em relação a sua mãe, as tem também em relação à vida e à felicidade. Assim como sua mãe se afasta dele como consequência de suas reservas e sua rejeição, assim a vida e o sucesso se afastam dele.

Onde começa o nosso sucesso? Começa com nossa mãe.

Como o sucesso chega a nós? Como pode vir? Quando a nossa mãe pode vir a nós e quando nós a honramos como tal.” Bert Hellinger

E quando experienciamos uma separação de nossa mãe?

Uma dinâmica que surge no estudo do trabalho de Hellinger é o do movimento interrompido em direção à mãe.  Isso acontece quando, por algum motivo, a criança se vê sem acesso à sua mãe.

“Muitos tiveram uma experiência precoce que se opõe a esse movimento. Vivenciaram uma separação precoce da mãe. Por exemplo, se por um certo tempo foram entregues a outra pessoa, se a mãe ficou doente e precisou ficar hospitalizada ou quando ficaram doentes e ela não pôde visitá-los. Essa experiência tem como consequência uma profunda mudança em nosso comportamento posterior.

A dor da separação e o desamparo, o desespero de não poder ir até ela, quando dela tanto precisamos, conduz a uma decisão interior. Por exemplo: “Eu renuncio a ela”. “Eu fico sozinho.” “Eu permaneço distante dela.” “Eu me separo dela.”

Mais tarde, quando a criança pode voltar para a mãe novamente, muitas vezes se subtrai dela. Por exemplo, a criança não se permite ser tocada por ela, fecha-se a ela e ao seu amor. A mãe espera por ela em vão, e quando ela tenta se aproximar e abraçá-la, a criança a rejeita internamente e, muitas vezes, expressa isso.” Bert Hellinger


Leia mais sobre o movimento interrompido

clique na imagem abaixo


A recuperação do movimento interrompido

Esta dinâmica de movimento interrompido em relação à mãe se mostra mais tarde, na vida adulta do filho, um grande obstáculo para se chegar ao sucesso. De muitas formas, cria-se uma impressão de que tanto a mãe, quanto o sucesso, não estão disponíveis.

Quando falamos do nosso movimento em direção a vida e em direção à nossa mãe, todos eles possuem em comum a ação do filho em direção à eles. O sucesso profissional acontece da mesma forma.

“Um movimento interrompido precocemente em direção à mãe se comprova, mais tarde, ser um obstáculo decisivo para o sucesso em nosso trabalho, em nossa profissão e na nossa empresa. Aqui também trata-se de se dirigir ao sucesso, ao invés de esperar que ele venha a nós.

Por exemplo, quando esperamos pelo salário sem antes entregar o rendimento correspondente, quando nos escondemos atrás de outros ao invés de nós mesmos fazermos o trabalho e nos afastamos ao invés de nos dirigirmos a alguém e ao trabalho com alegria. Todo sucesso tem a face da mãe.

Aqui também vamos internamente em direção ao nosso sucesso e a outros seres humanos, dispostos a fazer algo por eles, servi-los, ao invés de duvidar, ficar parados e esperar que eles se movimentem.

Então nos dirigimos a eles e ao nosso sucesso, passo a passo, e sentimos a cada passo nossa mãe, carinhosamente, atrás de nós. Conectados a ela, estamos bem preparados para o nosso sucesso e chegamos a ele como chegamos a nossa mãe. Primeiro nós fomos até nossa mãe e agora ao nosso sucesso.” Bert Hellinger


Uma jornada que nos leva de volta à nossa origem

Um curso especial, focado no trabalho pessoal de cada aluno em direção a um reencontro profundo com as suas raízes, em especial ao seu pai e sua mãe. Conheça e faça parte do curso vivencial “Jornada Ipê”. São três módulos de trabalho pessoal com a força da Constelação Familiar de Bert Hellinger e da Psicogenealogia de Anne Ancelin.

Saiba mais aqui


As citações de Hellinger deste artigo foram retiradas do livro “Êxito na vida, Exito na profissão, de Bert Hellinger. Editora Atman. Compre aqui.


Este conteúdo (textos, imagens e artes gráficas – exceto trechos de livros, citações de outros autores, e imagens de banco de imagens, quando houver) é exclusivo e produzido pelo Ipê Roxo – Instituto de Desenvolvimento Humano. Sua reprodução é permitida se acompanhada com o devido crédito: material de propriedade do Instituto Ipê Roxo – disponível em www.institutoiperoxo.com.br | Curadoria de conteúdo realizada por Ana Cht Garlet, professora do Instituto.


Gostaria de saber mais sobre esta Jornada?

Fale conosco pelo formulário abaixo.

 

Deixe uma resposta