O que é Direito Sistêmico?

Direito Sistêmico é o nome que se dá para a prática das Constelações Sistêmicas de Bert Hellinger na prática jurídica e no sistema judiciário.

É um movimento recente e onde os resultados já estão sendo observados desde a primeira iniciativa com esta abordagem.

Essa prática nasceu a partir de um Juiz Brasileiro, Sami Storch, que vendo a validade das Constelações Sistêmicas na resolução de emaranhamentos pessoais de fundo familiar, resolveu levar o conhecimento e a dinâmica no trabalho com as partes de processos de conflitos familiares.

Os resultados iniciais foram surpreendentes e consistentes, e desde então esta abordagem tem amadurecido e servido como uma ferramenta que cada vez mais encontra um lugar no campo judicial brasileiro.

Vamos do começo: o que é Constelação Sistêmica?

A Constelação Sistêmica é mais conhecida como constelação familiar. É uma abordagem trazida pelo psicoterapeuta alemão Bert Hellinger, com enfoque na terapia familiar. Esta abordagem ajuda a esclarecer a dinâmica oculta de uma dificuldade que sentimos e que tenha origem no nosso sistema familiar.

No início, Bert observava como muitas vezes, de forma inconsciente, nos colocamos a repetir algo a partir de outro integrante de nosso sistema familiar, principalmente daqueles que tiveram um acontecimento difícil em sua vida.

Em seus estudos, ele observou que existem três regras que regem os relacionamentos dentro de um sistema, e que estas devem ser respeitadas para que não haja um tensionamento entre os integrantes daquele sistema.

As regras dos relacionamentos

São elas: a ordem, o equilíbrio e o pertencimento. A ordem fala do lugar de cada um no sistema, e como os deslocamentos de lugares são experienciados no sistema como tensão. Um exemplo disso é quando filhos se colocam acima dos pais. Mas esta dinâmica também se apresenta de muitas variadas formas.

O equilíbrio está contido nas trocas entre pessoas, e como elas devem abrir espaço para tanto quem dá quanto quem recebe tenha a oportunidade de retribuir. Um exemplo da disfunção dessa dinâmica é quando num relacionamento, uma das pessoas é muito generosa, sem permitir receber, de forma equilibrada, no mesmo montante que dá.

Já o pertencimento é a capacidade de todos que estão em um sistema de serem partes dele, sem exclusão. Neste caso, o sistema tensiona quando algum indivíduo perde, perante o grupo, o seu direito de pertencer, por qualquer motivo alegado. Como parte original dos componentes do grupo, a tensão tentará guiar o grupo na direção do acolhimento daquele que foi excluído.

Leis dos relacionamentos

Assim como a lei da gravidade, que atua quer nós saibamos da sua existência ou não, quer nós concordemos com ela ou não, as regras dos relacionamentos são leis que atuam em todos os sistemas formados por pessoas.

Onde houver um relacionamento entre duas partes, independente da natureza deste relacionamento, estas regras farão parte das influências presentes.

Hellinger também observou que há uma forma de olhar para estas dinâmicas invisíveis que atuam nos sistemas. A esta ferramenta ele chamou de Constelação Familiar.

A prática no Direito

Foi esta ferramenta que Sami Storch, o juiz pioneiro do qual falamos no início deste texto, levou para dentro do campo judicial, como forma de observar as dinâmicas que atuam nas partes do conflito litigioso.

Além do benefício de observar, reconhecer e clarear para as partes o que atua de forma inconsciente nas demandas de cada lado, este trabalho consegue levar as partes a perceberem a real origem do conflito. Elas conseguem perceber o que é realmente que atua no pano de fundo do conflito, as leva a entrarem em contato com a verdadeira dor ou dificuldade e a perceberem a responsabilidade de cada uma no surgimento do conflito. 

Dessa forma, tem se observado que as partes se tornam mais objetivas e propensas para um movimento de conciliação, permitindo que a justiça caminhe com mais força na parte do trabalho que compete a ela.

Muitos resultados tem sido observados na medida que esse trabalho ganha força no campo processual, e dois dos mais interessantes é o aumento do número de acordos entre as partes e a diminuição de recidivas.

Um movimento que tem feitos que operadores do direito que se envolvem no conhecimento das constelações sistêmicas, experimentarem uma postura de trabalho mais leve e eficiente. E com grandes resultados.


“A quem me pergunta “o que é o Direito Sistêmico” eu respondo o que aprendi: Não “existe” o Direito Sistêmico, o que existe é a postura sistêmica do profissional do Direito, e isso faz toda a diferença, pois o Cliente, o Jurisdicionado, não encontrará um aliado à sua dor, ao seu problema, mas alguém que, com todos os defeitos inerentes ao ser humano, procurará caminhar lado à lado com ele, respeitando sua história e olhando com amor para tudo o que vem.

E sim, é possível não ter de escolher entre um dos lados.”

Marise Isotton Mior Medeiros, aluna do Instituto Ipê Roxo


Pioneirismo em Santa Catarina

Em Santa Catarina, o professor do Instituto Ipê Roxo, Paulo Pimont, é o pioneiro desta aplicação no Sistema Judiciário no estado.

Paulo foi aluno de Sami Storch e também responsável por trazê-lo para treinamentos em Florianópolis através do nosso Instituto, além de diversas iniciativas como professor e provedor desta abordagem na Academia Judicial, Justiça Federal e outros órgão da justiça em Santa Catarina.

Paulo é também o professor principal que coordena e conduz o curso de Direito Sistêmico em Florianópolis, chamado “A prática da Constelação Sistêmica no Direito”, que está com sua próxima turma aberta, com início em março de 2019. Abaixo, algumas das iniciativas conduzidas por nosso Instituto em Santa Catarina:

  • Fórum Norte da Ilha: O encontro “Conversas de Família” , liderado pela juíza Vania Petertman,  é conduzido por Paulo Pimont e também por membros da equipe do Fórum e aborda a prática de Comunicação não-violenta (CNV) e Constelação Sistêmica. Foi uma ação pioneira no estado e no Brasil, e a partir dos resultados apresentados, outros movimentos começaram a surgir em outras comarcas de SC.
  • Academia Judicial de Santa Catarina: Em uma turma conduzida por Paulo Pimont, os juízes da Academia Judicial de Santa Catarina, que realizaram este treinamento, revelam o quanto sua percepção se ampliou e são unânimes em reconhecer os benefícios desta nova postura dentro de seu trabalho, trazendo mudanças para eles próprios, para suas equipes e para a sociedade que busca o judiciário.
  • Justiça Federal de Santa Catarina: Uma oficina com foco na conciliação promovida pelo Cejuscon, liderado pela Juíza Michele Polippo e conduzido por Paulo Pimont regularmente tem trazido resultados verificados no aumento do número de acordos dos casos em que as partes estiveram presentes nas oficinas.
  • Presídio Feminino de Florianópolis: Um projeto piloto foi feito no presídio feminino de Florianópolis, com a equipe de servidores e também com as internas. Está sendo trabalhado no momento sua aplicação de modo regular.
  • Vínculos de Amor – Justiça Sistêmica: No mesmo modelo do encontro “Conversas de Família em Florianópolis, a Juíza Karina Müller convidou Paulo Pimont e a equipe de Direito Sistêmico do Instituto Ipê Roxo para  levar o modelo de trabalho para Camboriú – Santa Catarina, onde está sendo aplicado regularmente desde então.

CURSO ESPECIAL:

“A Prática da Constelação Sistêmica no Direito”

Direito-SistÊmico-Paulo-Pimont-3.png

O curso de Direito Sistêmico será

ministrado por Paulo Pimont e Juliana Foggaça

Paulo Pimont menor

Professor Paulo Pimont

Psicólogo, Constelador Familiar pelo Instituto Spelter e formado em Direito Sistêmico pela Hellinger Schule, professor convidado da Academia Judicial do Tribunal de Justiça de SC e co-fundador do Instituto Sistêmico Ipê Roxo.

O Professor Paulo Pimont lidera o movimento do Instituto Ipê Roxo nesta frente. Já organizamos dois workshops em Florianópolis com Sami Storch, o pioneiro no Brasil na abordagem das Constelações no Judiciário.

Além disso, uma nova iniciativa do Professor, junto com a advogada Juliana Foggaça, dará oportunidade de um olhar contínuo dos profissionais dessa área para processos e dificuldades de seu trabalho. Lançamos na palestra aberta, o “Grupo de estudos de Direito Sistêmico”, com a presença dos dois profissionais no guiamento do trabalho.

Paulo foi professor da Academia Judicial e faz parte da primeira turma de pós-graduação em Direito Sistêmico da Hellinger Schule no Brasil. Juntamente  com Vânia Petermann, juíza diretora do Foro do Norte da Ilha, Paulo facilita as constelações familiares no Programa “Conversas de Família”, uma iniciativa pioneira do judiciário catarinense, que busca promover a conciliação entre as partes em litígio, através de oficinas.

JUFOGGAÇA pb

 

Professora Juliana Foggaça
Advogada (OAB/SC n.º 34.387) e Consteladora Sistêmica – com 19 anos de experiência na atuação Jurídica, atualmente com ênfase em Direito Sistêmico e Consultoria Jurídica Sistêmica.

Juliana é Sócia-Fundadora do Escritório “De Almeida Advocacia” (OAB/SC n.º 3.903), Membro do Instituto Brasileiro de Direito de Familia – IBDFam, Membro Efetiva do Instituto dos Advogados de Santa Catarina – IASC, Especializada em Direito de Família e Pós-Graduanda em Filosofia pela Estácio de Sá.

Atuou na Assessoria Jurídica na Justiça de Primeiro Grau (2000 a 2012), oportunidade em que foi Conciliadora, Juíza Leiga e Implantadora do Sistema (SAJ).

Na OAB, presidiu a Comissão de Direito Digital da 28ª Subseção da OAB/SC – São José/SC (2014/2015). Também foi: Membro do Comitê de Inclusão Digital da OAB/SC (2014/2015); Presidente da Comissão de Inclusão Digital da OAB/SC (2016/2018), Vice-Presidente da Comissão de Direito Sistêmico da OAB/SC (2017) e Presidente da Comissão Especial do Processo Eletrônico do TJSC da OAB/SC (2017-2018). Presidente da Comissão de Inclusão Digital da OAB/SC (2019), Conselheira Suplente na 28ª Subseção da OAB/SC em São José/SC (2019) e Membro da Comissão de Direito Sistêmico do IASC (2018 e 2019).


Assistência Técnica

Paulo e Juliana também contarão com apoio técnico de profissionais do Direito ao longo dos módulos. Serão elas:

 

 

Karina Müller Queiroz de Souza
Juíza da 1ª Vara Cível da Comarca de Camboriú e criadora do Programa Justiça Sistêmica: Vínculos de Amor

 


 

 

 

Micheli Polippo
Juíza Federal e Coordenadora do CEJUSCON de Florianópolis

 


PROGRAMA DO CURSO DE DIREITO SISTÊMICO

MÓDULO 1

  • Surgimento histórico das Constelações Sistêmicas;
  • O que são Constelações Sistêmicas;
  • Apresentação das Bases Científicas;
  • As 3 Leis Sistêmicas ou Ordens do Amor;
  • Emaranhamentos Sistêmicos;
  • O que é Direito sistêmico e resultados já obtidos;
  • Onde surgem os conflitos;
  • Onde começa a Paz;
  • Empoderamento das partes do processo.
  • Aplicação no âmbito Estadual e Federal

MÓDULO 2

  • A influência da história familiar na atuação do profissional de Direito;
  • Atendimento Jurídico sistêmico – pré-processual, extrajudicial e contencioso;
  • Princípios Básicos para uma postura Sistêmico-Fenomenológica;
  • O olhar livre de julgamento– Distanciamento sistêmico– Mediação e Conciliação Sistêmica;
  • A distância do profissional para a resolução e pacificação de conflitos.

MÓDULO 3

  • Culpa e Inocência;
  • As 3 Consciências (Pessoal, Familiar e Universal);
  • A busca por Justiça;
  • Casos práticos em Direito de Família e Sucessões, Bancário, Penal, Ambiental, Empresarial, Obrigações, Contratos, Imobiliário, Registral, Trabalhista, Previdenciário, Tributário, dentre outros;
  • Exercícios sistêmicos para utilização na tomada de decisões.

 


Para que realizar este Curso?

1 – Conhecer o que é Direito Sistêmico e as Constelações Familiares de Bert Hellinger

2 – Os participantes serão expostos a uma nova visão sobre sua atuação como operadores do direito e terão a experiência de exercícios práticos que poderão aplicar na seu dia-a-dia, com seus clientes e jurisdicionados.

3 – Serão feitas Constelações de temas e casos que possam estar “travados” ou de difícil solução.

O temas tratados neste dia serão abordados conforme a necessidade dos participantes do seminário.

VALORES E CONDIÇÕES DE PAGAMENTO

taxa de inscrição: R$150

Valor do curso completo (3 módulos): R$ 2.975,00


CONDIÇÃO ESPECIAL p/ pagamento antecipado até 25/07/2019 – Matrícula R$ 150,00 + 7 X R$405,00 (cheque ou cartão de crédito)


  • A partir de 26/07/2019, matrícula R$ 150,00 e 5 x 595,00 (cheque ou cartão de crédito)
  • Matrícula de R$ 150,00 e valor do curso com 3% de desconto e parcelado em 3 x
  • Matrícula de R$ 150,00 e valor do curso à vista com 5% de desconto

Convidamos você a conhecer esta abordagem. Temos convicção que você encontrará novas forças e novos resultados em seu trabalho com o apoio do trabalho desenvolvido pelos conhecimentos do Direito Sistêmico.



MÓDULO 1 – 24 e 25 de agosto de 2019
MÓDULO 2 – 12 e 13 de outubro de 2019
MÓDULO 3 – 09 e 10 de novembro de 2019

FICHA DE INSCRIÇÃO – http://bit.ly/CursoDireitoSistemico


Faça parte do CURSO de Direito Sistêmico 

O CURSO irá explicar e expor aos participantes como este novo olhar tem trazido benefícios para os clientes, profissionais do direito e ao sistema como um todo.

Com a postura sistêmica há uma mudança de paradigma: o Judiciário como auxiliar das partes na construção de uma solução para o problema trazido. Aqui, o papel do judiciário é restaurativo, um objetivo que muitos profissionais tem buscado há muito tempo.


Faça sua inscrição e participe deste movimento transformador que está acontecendo no Judiciário!

 3 MÓDULOS (48 horas de aula) em Florianópolis

Inscreva-se clicando aqui 

Se preferir, fale conosco através formulário abaixo

Deixe uma resposta