O que fazer após uma Constelação? – Constelação Familiar de Bert Hellinger

O primeiro movimento de uma pessoa que procura a Constelação Familiar de Bert Hellinger é resolver uma dor. Algo que a incomoda, que persiste em sua vida e que de alguma forma, atrapalha seu caminhar.

Esse primeiro movimento é também um dos passos mais importantes: a conexão com aquilo que atua em sua vida, pois é dele que surge a abertura para olhar para algo.

Então esta pessoa vem a um atendimento em Constelação, coloca seu tema, olha para aquilo que atua e diante das informações que surgem se pergunta: “O que faço agora?”

Toda pessoa tem a capacidade de ver e sentir quais são suas possibilidades após uma Constelação. Mas com certeza, há alguns pontos que podemos trazer que auxiliarão para um bom caminhar após esse trabalho. E é sobre isso que queremos falar um pouco mais nesse artigo.

Sobre o silêncio

Somos de um tempo no mundo em que dificilmente se silencia. Isso significa que estamos comandados pela nossa mente e pela nossa racionalidade.

Isso com certeza tem sua utilidade.

Porém, o trabalho da Constelação não é para o racional, embora muitos insights surjam a partir dele. O que levamos para o atendimento e que nos dispomos a olhar é para o que está atuando no inconsciente. É uma informação que nosso corpo ouve somente no silêncio.

Quando silenciamos, reduzimos a predominância do racional, que atua em grande parte dos nossos dias. Abrimos um novo espaço, para que o nosso corpo também assimile o que foi visto, e principalmente, vivenciado.

A partir desta nova compreensão, algo novo passa a fazer parte do nosso repertório. Uma nova informação compõe nosso modo de ver o mundo. E este é o novo lugar do qual podemos olhar para nossas questões e enxergar o que não viamos antes.

Podemos nos mover novamente adiante, com novas informações e novas capacidades nas “mãos”.

Sobre o Pensar

Em conjunto com o silêncio, precisamos também acalmar nossa mente, que está “animada” com tudo o que viu.

Se não tomarmos cuidado com os significados que nós “propomos” para o trabalho que acabamos de fazer, algo se perde, entrelaçado nos antigos padrões e pensamentos.

Aqui também cabe o abrir espaço para algo novo, que surge e que permite olhar para a realidade de uma forma mais madura. Se olharmos para esta nova informação com olhos antigos e viciados, talvez não perceberemos a oportunidade que se vislumbra quando estamos realmente abertos para o nosso lugar.

Este acalmar a mente é resistir a tentação de vasculhar os significados do que foi visto, de contar, e muitas vezes, repetir inúmeras vezes como foi a própria experiência da Constelação. Pelo menos em um período de tempo após o atendimento, de forma a não interferir no tempo do corpo e do inconsciente de se alinhar com as novas informações recebidas.

Sobre o confiar

Quando olhamos para a nossa história familiar, que compõe tudo aquilo que pertence ao nosso sistema por muitas gerações, em determinados momentos podemos nos perguntar: “Eu reconheço isto?”

É natural que do nosso lugar, não temos plena consciência de tudo que aconteceu em nossa família antes de nossa chegada. Muitas vezes, não temos plena certeza do que aconteceu mesmo entre aqueles com quem convivemos diretamente.

Mas, pela filosofia da Constelação, mesmo que não tenhamos a lembrança racional de um acontecimento, o fato de algo ter acontecido dentro do nosso sistema familiar é o suficiente para que de alguma forma isto nos influencie, geralmente de forma inconsciente.

Por isso, é importante encontrar um profissional que você confie para este processo, pois isso irá lhe ajudar a confiar no que é acessado.

Nós sabemos que o que surge numa constelação é o essencial a ser visto naquele momento. E com confiança, o cliente pode também acessar algo muito valioso que transparece através do trabalho da Constelação Familiar.

Constelei, e agora?

Sonia Farias, membro da nossa equipe de consteladores e também co-fundadora do nosso instituto, escreveu um texto muito valioso sobre o que é uma boa postura após a constelação.

Trazemos o texto dela na íntegra aqui:

Silenciar, acalmar a mente e confiar: este é um bom caminho para trilhar após uma Constelação Familiar.


Este conteúdo (textos, imagens e artes gráficas – exceto trechos de livros, citações de outros autores, e imagens de banco de imagens, quando houver) é exclusivo e produzido pelo Ipê Roxo – Instituto de Desenvolvimento Humano. Sua reprodução é permitida se acompanhada com o devido crédito: material de propriedade do Instituto Ipê Roxo – disponível em www.institutoiperoxo.com.br | Curadoria de conteúdo realizada por Ana Cht Garlet, professora do Instituto.


Gostaria de receber uma ligação nossa? Deixe seus contatos no formulário abaixo e sobre qual serviço você gostaria de mais informação que entraremos em contato!

Deixe uma resposta