O Limite da Constelação Familiar

A Constelação Familiar de Bert Hellinger tem atraído cada vez mais pessoas, que buscam nos seus conhecimentos uma ajuda para alterar o que tem sido difícil em suas vidas.

Se identificam com um dos principais pontos que está contido neste conhecimento: a influência da história familiar sobre a nossa vida.

Até mesmo por este ser o principal campo de estudo da Constelação Familiar de Hellinger, algumas pessoas se confundem com o que é feito aqui. E estas mesmas pessoas por vezes não recebem na totalidade tudo aquilo que esta ferramenta tem para oferecer.

Elas chegaram no limite da Constelação Familiar.

E qual é esse limite?

Vimos com frequência, nos atendimentos, que a possibilidade daquilo que se mostra numa constelação está subordinado a uma característica muito especial: a responsabilidade pessoal de cada um em relação à sua vida.

É essa responsabilidade que permite tomar o que é visto na constelação, e não usar este novo conhecimento como uma desculpa para permanecer no mesmo lugar.

É a responsabilidade pessoal que permite pagar o preço de novas escolhas e de uma nova postura. Pois sim, tudo tem um preço a ser pago. Inclusive a felicidade e uma vida mais leve.

Uma constelação sem assumir a responsabilidade pessoal

Realizar uma constelação exige um centramento do cliente. O que é acessado pelo terapeuta e pelo grupo vêm através do cliente que levou seu tema pessoal para ser constelado.

Isto já mostra como o papel do cliente é central para um bom andamento de um atendimento em constelação.

A cada movimento, algo também se movimenta no campo familiar do cliente. Da mesma forma que acessamos o campo familiar que nos provê as informações, naquele momento, o campo também se deixa influenciar pelos movimentos verdadeiros de solução que já se encontram ali.

É importante notar que o terapeuta nada passa para o campo. Na verdade, ele acompanha o cliente que deseja olhar para a realidade que se mostra. Inclusive nas soluções, estas só terão efeito verdadeiro se forem uma possibilidade real para o sistema.

O mais importante, no momento de uma constelação, é o cliente e seu sistema familiar.

 

constelacao familiar ipe roxo

E o que acontece então quando este cliente chega, por exemplo, forçado por outra pessoa? Um filho que pediu para a mãe ir, ou uma esposa que insistiu para o marido constelar, porque “tal problema com certeza vem do seu sistema”?

Ele/ela não chega disponível para o trabalho, e principalmente para assumir sua responsabilidade dentro do que lhe compete no seu sistema.

Um ambiente diferente, mas a mesma postura

E ainda que o campo se mova, pois há algo que coloca esta pessoa ali, se ela não assumir o que lhe cabe, pouco irá se mover em sua vida.

A Constelação e seus reflexos são amplos. Nunca estaciona em uma pessoa só.

Então, se o ambiente ao meu redor sofre uma alteração, mas eu não, o que acontece?

Eu, como alguém que não deseja assumir sua própria responsabilidade, encontro novos motivos para permanecer no mesmo lugar. 

Se não há a disponibilidade para a mudança em si mesmo, há pouquíssimo espaço para que a dificuldade se altere. Ela permanece, pois ainda tem uma utilidade.

Como se fala popularmente: talvez seja necessário ainda doer um pouco mais.

Nossa situação de vida também deseja nos mostrar algo, e também ela está a serviço de algo maior. Ela é paciente, como uma mãe. Ela deseja que a gente cresça, como um pai.

Ao mesmo tempo, ela é sábia, e não nos dá nada de graça. Para aquilo que é importante para o desenvolvimento de cada um, há um preço a ser pago.

E pela nossa experiência, vemos que esse preço é a responsabilidade pessoal diante da própria vida.

Um ambiente e uma postura diferente

O simples imaginar deste título já mostra a força que a nova postura, alinhada com a responsabilidade pessoal pode oferecer na nossa vida.

Após uma constelação, é como se surgisse espaço para uma nova dinâmica entre os familiares. Esta nova possibilidade se mostra, ao mesmo tempo que também exige de nós uma contrapartida.

Precisamos abrir mão e nos liberar das velhas desculpas e exigências. Aceitar que o que aconteceu é o que foi possível, não importa o quão bom ou difícil ela se apresentou para nós. Olhamos para esta possibilidade e muitas vezes aceitamos encontrar um novo “eu” e então seguir adiante.

É a responsabilidade pessoal que leva o cliente a aproveitar este novo cenário para estabelecer novas dinâmicas, onde isso for possível.

É através da responsabilidade pessoal que também se torna possível aceitar o que não pode ser alterado. Há um senso de possibilidade que permeia toda esta situação. E junto com isto, uma leveza em levar adiante o que precisa ser feito, permanecendo em seu lugar.

Esse é o limite da Constelação Familiar. E é no encontro com a nossa responsabilidade pessoal que se percebe a sua infinidade de boas soluções.




constelacao familiar ipe roxo

O Ipê Roxo – Instituto de Desenvolvimento Humano é pioneiro em Florianópolis no trabalho com as Constelações Sistêmicas. Foi fundado pelos consteladores Sonia Farias, Maria Inês Araujo Garcia Silva, Paulo Pimont e Ana Garlet.

Constelação Sistêmica é uma nova abordagem da Psicoterapia Sistêmica Fenomenológica. Foi criada e desenvolvida pelo alemão Bert Hellinger após anos de pesquisas com famílias, empresas e organizações em várias partes do mundo.

O resultado desses estudos se transformou em um trabalho simples, direto e profundo. Que se baseia em um conjunto de leis naturais que regem o equilíbrio dos sistemas. Leis estas que o próprio Bert gosta de chamar de “Ordens do Amor”.


Deseja saber mais sobre a Constelação Familiar? Entre em contato conosco pelo formulário abaixo.

Deixe uma resposta