Pedagogia Sistêmica: Uma carta para Marianne Franke-Gricksch, por Sonia Farias

Recentemente, Sonia Farias e Ana Garlet, facilitadoras da Formação do Núcleo de Consteladores do Instituto Ipê Roxo, estiveram com a pedagoga alemã Marianne Franke-Gricskch, referência mundial em Pedagogia Sistêmica. Durante o curso, que se estendeu por 5 dias de muito crescimento e aprendizado, Marianne compartilhou suas experiências com as Constelações De Bert Hellinger dentro das escolas e também no atendimento de professores e famílias.

Essa aplicação da Constelação Sistêmica de Bert Hellinger tem se tornado um novo norte para professores e educadores em geral, especialmente aqueles que encontram problemas dentro da sala de aula, seja com o comportamento de alunos ou a dificuldade dos mesmo em aprender. Sônia, impressionada com sua experiência com Marianne, decidiu escrever uma carta com toda a riqueza de ideias que chegou até ela naquele evento.

Ainda na comemoração do dia dos professores em 15 de outubro passado, compartilhamos com vocês as palavras da Sonia dirigidas à Marianne, e que podem ecoar no coração de todos nós que servimos à vida através da educação. Leia abaixo:

Marianne Franke-Gricksch

Marianne Franke-Gricksch

Ser aluna de Marianne Franke é experimentar uma das Faces da Graça de Deus.

Fomos inundadas de gratidão pela vida.
Como diz a poesia:
“Graças pela vida que tem nos dado tanto…”

O que é felicidade?
Essa é a pergunta do nosso coração?

Assim Marianne pergunta:
– Onde ficou seu coração?
Sim, onde ele ficou?
Lembrei da expressão grega ‘Macários’ que significa:
“Feliz espiritualmente”.

Aprender com Marianne a escolher com o coração, um caminho que está dentro e não fora. Encontrar o que procuramos e permitindo que o que nos procura há anos possa nos encontrar também, como afirma uma de minhas escritoras favoritas, Clarissa Pinkola Estes.

‘Macário’, feliz é aquele que se dispõe aprender sempre.

Aquele que se encontra alerta,
aberto,
inconcluído,
inacabado.
Com amor e na condução de Marianne, fomos aprendendo a saber acolher o que é bom.

Humildes de espíritos são os ensináveis. São príncipes e princesas, somos todos principiantes. Os humildes são felizes, porque choram, porque se importam mesmo com a dor do outro.

Vivemos isso a cada constelação ao lado de Marianne…

Com ternura e firmeza, sua condução despertava em todos o desejo de tirar a ignorância para aprender a acolher a graça da vida.

Despedir-se do amor infantil, amor que cega, que não conseguem ver o ouro nas mãos. Com sensibilidade, toques de emoção, acompanhadas por ela, fomos nos dispondo a dar mais um passo.

Seguimos passo a passo, andando sempre com a alma em estado de
“pura consolação”.

Isso é felicidade!
Com mansidão,
auto-controle de mestre, Marianne nos alertava:
Respire…
Respire…
Respire…
Nada é tão urgente que não possa esperar o mover da alma, o mover do coração.

O silêncio, o esperar chegava com a força do seu auto-controle.
Sabiamente, na hora certa Marianne expressava o que todos esperávamos há anos.
Assim ganhávamos Palavras de Liberação, Palavras Limpas,
Sem Fantasia ou Ilusões.

Com uma visão limpa e clara, Marianne nos ensinava que felicidade é ter prazer no que se é, e no que se tem.

Nossos pais, nosso maior bem.
Nada mais é tão importante ou maior.

Marianne nos ensinava a abraçar o que existe e não o que não existe.

Assim, com a graça da consolação, o que foi por cada um de nós construído com enganos e nas ilusões, cessam, se diluem.

Ouvimos tantas vezes:
Tome tempo…
Tome tempo…
Tome tempo…
Acabou.
Basta.

Nunca é tarde para recomeçar.
Temos mais uma chance.
Assim é a vida.
Gratidão pelo tanto que ganhamos…

Ipê Roxo Constelação Familiar (1)

Por Sonia Farias

Escrito para Marianne, ao final do Seminário Pedagogia Sistêmica.

Curitiba 23/27 de outubro 2015.


LEIA MAIS sobre a obra de Marianne Franke-Gricksch “Você é um de nós”, da Editora Atman. 


Deixe seu comentário abaixo ou endereço de e-mail para receber conteúdo do Instituto Ipê Roxo

Deixe uma resposta